segunda-feira, 29 de junho de 2009

Museu de Arte Moderna da Bahia

Maior museu de Arte Moderna do Nordeste, expõe cerca de mil quadros, esculturas, gravuras e tapeçarias. Entre os artistas que integram o acervo estão Carybé, Tarsila do Amaral e Portinari. De 15 de junho até 26 de julho, apresenta a Exposição Saccharum BA, que mostra o trabalho de diversos artistas sobre o tema do açúcar.
O museu fica em Salvador: Av. Contorno, s/n°. Aberto de terça a domingo, das 13h às 19h. Aos sábados, até as 21h.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

XXII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Professores de Literatura Portuguesa

O Instituto de Letras da UFBA vai abrigar, em setembro, o XXII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Professores de Literatura Portuguesa (Abralip), em promoção conjunta das universidades baianas – UFBA, UEFS, UCSal, UNEB, UESB e UniJorge.
O congresso será realizado nos dias 13 a 18 de setembro de 2009, confira a programação completa clicando aqui. As inscrições para apresentação de trabalhos foram prorrogadas até 30 de junho e como ouvinte até 30 de agosto unicamente pelo site: www.congressoabraplip.ufba.br.

terça-feira, 16 de junho de 2009

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Obras para o Vestibular da UFBA

A seguir você encontrará os livros e os filmes indicados para o Vestibular e o link para download de alguns deles. Clique no nome do livro ou do filme e você será encaminhado para o download.

1ª Fase ou Fase única
· Joaquim Manoel de Macedo - As vítimas algozes
· Eça de Queirós - A correspondência de Fradique Mendes (nº9)
· Graciliano Ramos - Vidas secas
· Antônio Callado - Quarup
· Cadernos Negros; Os melhores poemas (antologia publicada pelo Fundo Nacional de Cultura/MinC)
· José de Alencar - Senhora
2ª Fase (CPL)
· Joaquim Manoel de Macedo - As vítimas algozes
· Eça de Queirós - A correspondência de Fradique Mendes
· Graciliano Ramos - Vidas secas
· Adonias Filho - O largo da Palma
· Antônio Callado - Quarup
· José de Alencar - Senhora
· Mário de Andrade - Macunaíma
· Cadernos Negros; Os melhores poemas (antologia publicada pelo Fundo Nacional de Cultura/MinC)
· Mia Couto - O último voo do flamingo
· Italo Moriconi (org) - Os cem melhores poemas brasileiros do século.
Filmes (apenas 2ª fase - CPL):

· A invenção do Brasil - Guel Arraes
· Cidade de Deus - Fernando Meireles
· Deus e o diabo na terra do sol - Glauber Rocha
· O baile perfumado - Lírio Ferreira e Paulo Caldas
· Diários de motocicleta - Walter Salles Jr.
· O homem que copiava - Jorge Furtado
· O que é isso, companheiro? - Bruno Barreto
· Adeus, Lenin - Wolfganger Becker
· Faça a coisa certa - Spike Lee
· O crime do padre Amaro - Carlos Carrera

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Desacordo Ortográfico?

Recentemente, li um artigo oriundo de um site português que falava sobre o ACORDO ORTOGRÁFICO e fiquei, sinceramente chateada. Em parte seu autor critica a "criatividade" brasileira, nos denominando, em outras palavras, de simplistas e destruidores da cultura letrada portuguesa!! Nas palavras do próprio autor:

"Na sua fabulosa criatividade, os brasileiros dão às palavras a sonoridade da fala, simplificam, adaptam, criam, inventam. Por vezes temos até dificuldade em compreender a forma de se exprimirem. [...] Escrever bem significava muito mais que juntar letras correctamente. Era retrato da nossa identidade, respeito pelos que nos precederam, era herança de gerações a preservar, para depois transmitir. [...] O chamado acordo permite-nos a tentação de pensar que escrever bem ou escrever mal deixou de ser uma questão de cultura, mas de número de pessoas. Se a maioria escrever mal, está a escrever bem por ser maioria e pode-deve impor-se às minorias para uniformizar uma língua comum. É o chamado nivelamento por baixo com abuso de poder."


Quem desejar ler o texto em questão na integra clique aqui. Então, resolvi escrever outro texto e publicar no mesmo site como comentário. Ele está transcrito a seguir:

Acordado Ortográfico

Você tem toda razão em descrever a criatividade brasileira como fabulosa. Nós brasileiros sabemos inovar e é devida a essa inovação que criamos uma literatura vasta e reconhecida mundialmente, uma música encantadora, em se tratando, principalmente, de nossa MPB, bem como diversas outras formas de manifestação artística brasileira.

Falando um pouco sobre língua, concordo também com um de seus leitores quando disse que nós falamos brasileiro! E com muito orgulho! As diversas influências por parte dos demais povos que por aqui passaram fizeram com que nosso idioma se tornasse tão único e diversificado. Nós também achamos por vezes difícil ‘compreender a forma de vocês se exprimirem’. Isso, no entanto, não nos torna rivais, antes diferentes.

Não foi o acordo que mudou as palavras. Tal acordo vem apenas ratificar algo que na fala já está consumado. E não há como impedir o curso natural da língua. Ela vai evoluir, variar e modificar-se, não para melhor ou pior, apenas ela evoluirá. A língua serve para seu objetivo que é comunicação, assim, se em determinada comunidade linguística estiver sendo utilizada de maneira diferente isso não a torna nem melhor nem pior, apenas diferente. Você já ouviu falar de uma área do conhecimento chamada Linguística? E a Sociolingüística? Deveria se inteirar mais de tais assuntos, para não continuar a propagar conceitos gratuitos e infundados.

Gostaria de compreender porque a maioria das pessoas tem feito tamanho exagero diante do acordo ortográfico. Como o nome já diz, é apenas um acordo e ortográfico. A língua Portuguesa, seja ela, a de Portugal ou a do Brasil, continuará a mesma! A prosódia, a fonética, a morfologia e a sintaxe permanecem inalteradas!

Além disso, a perda de um trema, de um hífen ou de um acento não fará com que passemos a escrever mal. Só unificará a grafia dos países membros da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), o que facilitará a circulação dos bens culturais produzidos em ambos os países. Talvez isso não importe muito para você, mas econômica e politicamente isto é bastante relevante!

Espero que acabemos logo com essa polêmica e que as pessoas aceitem de vez o inevitável.

Alessandra Costa (professora de português, brasileira)

sexta-feira, 5 de junho de 2009