domingo, 31 de julho de 2011

Como escrever bem...



Muitas pessoas perguntam-se se há algum segredo, algum “macete” para se escrever bem. É partindo desse pressuposto que uma indústria monstruosa de cursinhos e manuais de redação é criada e as pessoas gastam rios de dinheiro nessa busca frenética pelo segredo do sucesso na escrita. No entanto, por mais que se deem truques e macetes para ser um bom escritor, esses manuais não ensinam a pensar. E uma estrutura sem conteúdo é o mesmo que um esqueleto sem carne. De nada nos serve.
Ao invés de ensinar tais “macetes” é essencial ensinar a pensar. Ensinar a enxergar além do óbvio, através do subentendido, das entrelinhas. E isso só se consegue com muita leitura e estudo.
Existem, entretanto, duas atividades básicas que nos ajudarão a escrever bem: ler e escrever.
Um escritor, antes de tudo, é um leitor. Nada é escrito por acaso. Tudo o que escrevemos é uma re-leitura, uma re-significação de tudo o que lemos e de nossas experiências de vida. Portanto, para preenchermos nossas produções textuais de “carne de 1ª”, temos de ser exímios leitores.
A segunda regra trata-se da prática da escrita. Só se aprende a escrever, escrevendo! O exercício atento e constante leva-nos ao aprimoramento. Porém, lembre-se: o exercício atento e constante! Não adianta escrevermos e, após a identificação de “problemas” ou “desvios” da norma padrão, voltarmos a repeti-los. Também a leitura deve ser uma constante, uma atividade diária em nossa vida.
Outro fator de suma importância é a necessidade de escrever para alguém. Não faz sentido escrever algo para ninguém ler! Quando sabemos a quem se destina nosso texto, moldamos nossa produção. Para exemplificar, imagine que tenha de sair e deixar um bilhete para avisar sua saída. Será que no bilhete endereçado à sua mãe, seria usada a mesma linguagem e abordagem caso ele fosse direcionado ao seu namorado(a)?
Por isso, as atividades escolares não fazem sentido. Escrevemos para ninguém ou simplesmente para o (a) professor(a) que, na maioria das vezes, não é uma leitor(a), e sim, a corretor(a) da redação.
Assim, para se escrever bem são necessários, dentre ouros pontos, três fatores: desenvolver o hábito da leitura, treinar a escrita constantemente e ter claro a identidade de seu interlocutor.
Comece por aí, este é o verdadeiro macete!
Imagem fonte: http://commons.wikimedia.org/wiki/File:N_write.svg?uselang=pt-br

segunda-feira, 4 de julho de 2011